Por que os mods não fazem mais tanto sucesso no Battlefield 2 como no Battlefield 1942?

prlogo

Estava a pouco procurando servidores no www.game-monitor.com para jogar o FH2, uma vez que o único servidor com ping razoável era o Wolf e este se encontrava vazio, estava na busca por outros. Listando os servidores a situação me pareceu um pouco desoladora pra quem estava acostumado a encontrar vários servidores com bastante gente jogando o Forgotten Hope 2, que vem a ser um mod da segunda guerra.

Aí resolvi procurar por servidores do Eve of Destruction, Point of Existence, Operation Peacekeeper. Mods de grande nome no passado, hoje se contentam com poucos jogadores, somando talvez todos os mods citados, não conseguimos chegar a soma alcançada pelo Project Reality. Mas porque, o que fez com que o Project Reality tivesse tanto sucesso que os outros mods não tiveram?

Pensei, e repensei, não quero criar motivos absolutos, pois estão inclusas muitas variáveis nesta equação, não posso dizer simplesmente “é isso”, mas acho que posso citar alguns pontos que diferenciam Project Reality dos demais mods, algo que se sobressai sobre todos os outros.

De uma forma mais superficial podemos observar os seguintes pontos:

1. “Squad-based teamplay”

Acho que no início esse foi o grande causador de impacto do PR, e vem a ser o seu ponto mais forte. Os jogadores viam um atributo do jogo original (Battlefield 2) muito sub-utilizado, a proposta de jogo em squad estava sendo mal aproveitada e principalmente explorada. O jogo não recompensava o esquadrão que jogasse junto, se o resto do time não cooperasse, seria como nadar e morrer na praia. A desordem geral do time era grande demais para que um pequeno esquadrão pudesse vencer o jogo sozinho, times bem organizados tinham imensa vantagem sobre o outro, mas apenas um esquadrão não podia salvar a pátria, já que o foco do Battlefield 2 não era excencialmente organização, mas sim dar a liberdade do jogador escolher o seu próprio estilo de jogo, fosse ele em equipe ou sozinho apenas para “fragear”. PR recompensou os esquadrões, e o tempo de respawn extendido fez os jogadores verem a importância da organização e da movimentação bem pensada. Times desorganizados, isso aliado a estratégia de captura de pontos no mapa, que deveria ser feita numa certa ordem, neste caso organização é fundamental para manter a defesa dos pontos de controle do mapa.

2. “Reality”

Simplesmente isso, “realidade”. Os jogadores buscam experiências diferentes do jogo original quando jogam um mod. PR oferece isso, num jogo orientado ao trabalho em equipe, comunicação é fundamental, e isso trouxe uma abordagem realista ao jogo, o tempo de respawn foi aumentado, diminuindo a precocidade da vida no jogo, ou seja, os jogadores jogam com mais cautela, um pensamento totalmente diferente do Battlefield 2 original. Em resumo, tornaram mais real :)

3. “Game-balance”

O mod trouxe algo que os jogadores do BF2 não estão habituados. Armas, veículos e todo o resto do arsenal tem seus usos balanceados e até mesmo limitados como é o caso de algumas armas, e são eficazes apenas para aquilo a que são propostos. Um tanque realmente tem poder de botar os inimigos para correr, diferente do Battlefield 2. Helicópteros e aviões possuem um uso mais tático, não servem para ficar matando a esmo, é uma poderosa arma contra blindados por exemplo, mas um anti-aéreo realmente bota um helicóptero pra correr, se não fossem os sensores para despistar o sensor de calor do míssil nesta hora, com certeza os helicópteros soltariam outra coisa…. E o melhor de tudo, se o seu time perder um veículo, vai ter que esperar um bom tempo antes de outro veículo reaparecer novamente, este tempo varia de acordo com a importância estratégica do veículo, ou seja, pode significar uma derrota.

Conclusão

Em resumo, o que quero mostrar é que, PR oferece uma experiência totalmente diferente do Battlefield 2 original, e essa experiência acontecia com outros jogos no Battlefield 1942. Forgotten Hope era o que existia de mais realista na época do Battlefield 1942, algo inédito ao jogo original. Hoje Battlefield 2 está mais evoluído, muitas coisas do jogo foram melhoradas, o jogo em si se tornou mais completo, e pouco pôde ser adicionado em termos de experiência aos mods. A movimentação, os gráficos, tudo permanece igual de acordo como Battlefield 2 é, mas Project Rreality traz um total desprendimento do BF2, tornando a experiência realmente inovadora.

Creio que o desprendimento de Battlefield 2, que o Project Reality possui, venha a ser sua maior vantagem sobre os outros mods, não apenas por se tratar de guerra moderna, mas porque PR realmente melhorou aquilo que era fraco no Battlefield 2, vide o jogo baseado em esquadrões, alguns servidores até mesmo expulsam jogadores que não entram em um esquadrão.

De forma alguma Project Reality vem a ser melhor do que os outros mods porque a proposta é diferente, mas existe uma ligação forte entre os demais mods para com o jogo original, em alguns casos apenas armas ou veículos novos foram adicionados nos mods, ou um tema diferente foi apresentado, mas isso pára por aí. Project Reality foi além e trouxe algo realmente novo e diferente, o mod poderia ter fracassado em alcançar o seu objetivo de representar realidade, mas o sistema de esquadrões no jogo foi a chave para que o mod se tornasse um grande sucesso.

E além de tudo isso tem provado uma coisa, o perfil dos jogadores é diferente, talvez muitos nem mesmo sabem que gostam, mas em geral os jogadores estão buscando mais realidade, querem experiências mais realistas, sólidas e duradouras nos jogos, o que conta muito. PR também exige muito mais dos jogadores, existem muitas coisas para aprender do jogo, uma série de regras e funções existentes, e isso também é um problema do mod em geral, tanto que existe até um manual específico de como jogar. E as vezes isso torna o jogo pouco receptivo a novos jogadores, tanto pela dificuldade de entender o jogo, quanto da compreensão por parte dos outros jogadores.

Eidos: Indústria de jogos está ameaçada no Reino Unido

livingstone

O diretor criativo da Eidos e responsável por aquisições, Ian Livingstone, acredita que o fracasso do governo de ajudar o indústria dos jogos no Reino Unido e a falta de capacitação dos profissionais estão colocando o setor em risco.

Falando em um evento em Manchester, Livingstone pediu incentivos para a indústria, incluindo redução nas taxas de salário e mudanças no método de ensino das universidades.

Segundo Livingstone “a indústria dos jogos não recebe apoio, no entanto ela contribui com £40 bilhões por ano ao GDP (Gross Domestic Product – no Brasil conhecido como Produto Interno Bruto).”

“É mais do que a indústria da TV e de filmes juntas, as quais recebem muito apoio, mas a indústria dos jogos opera escondida, em segundo plano, sofrendo pressão da imprensa e de leis impostas.”

E adiciona que “as universidades não estão produzindo gente suficiente, do tipo que nós necessitamos”.

“A indústria necessita de matemáticos, fisicistas e artistas. Existem em torno de 81 cursos no Reino Unido focados na produção de jogos, mas as universidades são pagas para colocar bundas nas cadeiras e eles estão se tornando estudantes que sabem tudo da história dos jogos, mas eles não podem fazê-los.”

Não é a primeira vez que Livingstone expressou suas frustrações sobre como a indústria dos jogos é tratada no Reino Unido, pedindo mais respeito ao setor.

E ele finaliza: “Nós ainda somos vistos como o ‘patinho feio’ da indústria criativa, acima apenas da pornografia nos olhos da maioria”.

Detalhes sobre Battlefield Heroes

bfheroes logo

O tal do NDA não me permite revelar fotos ou vídeos do Battlefield Heroes, no entanto, acho injusto apenas sites pops como gamespot ou ign poderem revelar essas informações, por isso me senti no direito de poder estar revelando detalhes do jogo ao público que fala português, espero que que gostem!

Começando do início mesmo, o jogo funciona de forma diferente, não é baixar instalar e jogar. O processo é um pouco diferente.

Veja os detalhes do jogo clicando em “Leia mais”.

Continuar lendo “Detalhes sobre Battlefield Heroes”

10 tipos de jogadores

Quem aqui já não notou que existem vários tipos de jogadores no “universo” multiplayer? Parece que você consegue distinguir já os tipos, pelo papo deles você nota já de que tipo eles são. Eu sou contra querer categorizar as pessoas, mas é inevitável você notar certos atributos que definem esses “tipos”, então vou tentar sintetizar os 10 tipos de jogadores que temos por aí.

1. Os quietos (acompanhados ou não da ignorância)

Acho que são a classe mais comum, são aqueles que não cheiram nem fedem no jogo, não jogam nem bem nem mal, apenas complementam as vagas do jogo, a maioria deles é meio sem noção, podem estar levando o maior ferro da vida deles dentro do jogo que eles acham aquilo o máximo ainda pelo simples fato de estarem jogando, não se importam em ganhar nem perder. Quando são xingados ficam quietos, e não costumam falar muito por si próprios. É o tipo mais difícil de entender.

Continuar lendo “10 tipos de jogadores”

World in Conflict, uma obra prima nos multiplayers de RTS

Quem não jogou, sugiro que visite este link urgentemente para fazer o download do [DEMO].

A Massive Entertainment realmente caprichou, o jogo quando lançado tinha pequenos problemas de tweaks, não bugs. Mas que já estão sendo corrigidos conforme os jogadores vão denunciando os problemas nos fóruns da massgate.net.

Eu nunca havia visto um jogo multiplayer, de RTS que comportasse 16 pessoas, onde você pudesse selecionar a sua classe, ou área de atuação e desempenhar um papel específico, no caso, você pode escolher entre Infantry, Armor, Support e Air, na tradução, infantaria, blindados, suporte e aéreo.

[a “tactical nuke” em ação no WiC]

A cooperação se faz necessária uma vez que existem 4 tipos de funções distintas a serem executadas no campo de batalha, o balanço do jogo é feito no sistema pedra, papel e tesoura. Ainda, dentro de cada função, você encontra diferentes tipos de unidades, cada uma voltada para alvos e unidades específicas. Outro elemento adicional é que todas as unidades possuem uma espécie de “poder especial”, que na verdade seria uma função extra de cada veículo, esses “poderes” após serem usados levam algum tempo para recarregar, pois ou consistem em ataques críticos (que fazem dano extra), contra-medidas e movimentação.

__________________________________________

Continuar lendo “World in Conflict, uma obra prima nos multiplayers de RTS”

O “F5” salva e o “F9” redime, jogos hoje são menos desafiadores

Hoje por acaso estava olhando alguma bobagem na internet e acabei me deparando com uma coisa a respeito de save-games, quando vi isso comecei a me lembrar daqueles jogos de antigamente, onde não se tinham saves, ou você passava de uma vez só, ou se suas vidas acabassem você teria que recomeçar do início.

Me lembrei de jogos como o “Aladdin”, que jogava no meu Dynavision antigão, nem lembro se era essa a marca. De qualquer forma, me lembrei, e me lembrei como me diverti com aquele jogo, lembro-me de ter tentado duas vezes ele, e na segunda consegui.

Fiquei tão feliz, estava realizado. Aladdin era daqueles jogos de plataforma comuns na época, como o famoso e clássico “Prince of Persia”, que você ficava pulando por um monte de lugares pra salvar a princesa, e quando chegava a hora de matar os inimigos eu sempre morria. Bons tempos de ignorância.

_________________________________________

Continuar lendo “O “F5” salva e o “F9” redime, jogos hoje são menos desafiadores”

Velhice ou jogos ruins?

De um tempo pra cá venho perdendo interesse em jogos, as vezes compartilho deste fato com meus amigos que na maioria das vezes também compartilham do mesmo sentimento, serão jogos uma fase passageira, uma simples fase da vida? Serão os jogos que estão deixando a desejar na parte criativa? O que será?

Eu sempre me considerei um jogador ou gamer que seja, por tempos na minha sala na escola eu era conhecido como o “cara dos joguinhos”, tanto que esse interesse em jogos hoje me motiva a querer desenvolvê-los. No entanto, agora com 19 anos, comecei a perder o interesse por jogar, tenho o Bioshock instalado, que é um jogo muito bom, mas não consigo mecher um dedo pra jogá-lo na maioria das vezes. Ainda não terminei ele.

Perguntei a alguns colegas e eles também tem sentido a perda de interesse por jogos. O que me leva a crer em 2 coisas.

______________________________________________

Continuar lendo “Velhice ou jogos ruins?”

GDC08 – Peter Molyneux fala sobre Fable 2

Em sua entrevista à IGN.com na Game Developers Conference, Peter Molyneux falou sobre Fable 2.

O jogo terá algo até então somente visto no The Sims, a possibilidade de ter uma família e se casar, no jogo você poderá até mesmo ter filhos! Os seus filhos ou o seu filho, vai querer imitar o jogador, de forma que se o jogador for do bem dentro do jogo, o filho terá atitudes boas, e se o jogador for mau, o filho terá o mesmo tipo de comportamento.

Você poderá ter até mesmo um sogro dentro do jogo, esse sistema de família segundo Molyneu, serve para fazer com que os jogadores se importem de maneira profunda com o jogo.

Fable 2, assim como o jogo Fable em si foi modelado conforme as fábulas européias, e que como elas, não tem nada a ver com fábulas normais, onde todos vivem para sempre. Por isso essas fábulas tendem a ser um tanto obscuras e as vezes moralmente complexas.

Continuar lendo “GDC08 – Peter Molyneux fala sobre Fable 2”

Passo-a-passo Hidden & Dangerous

hidden dangerous noticia

Eu vi muita gente jogando ainda o Hidden and Dangerous, e muita gente têm dúvidas de como passar de certas missões. Foi pensando nisso que resolvi procurar algum passo-a-passou ou detonado, como queiram chamar, que mostrasse o caminho para o jogador nas missões mais complicadas.

Alegrem-se!!! Encontrei 2, o primeiro da gamefaqs que pode ser acessado pelo link abaixo:

http://www.gamefaqs.com/computer/doswin/file/197561/10536

E outro encontrado em um portal gringo de HD, onde existem até mesmo fotos dos locais e das partes que são explicadas, o link segue abaixo:

Em português:

http://hd.3dactionplanet.gamespy.com/walkthru.htm

http://hd.3dactionplanet.gamespy.com/hdrc/Walkthrough.html
Obs: No link acima o texto e o fundo estão em brancos, selecione o texto para que você possa ler, as missões estão formatadas como Campanha X e Missão X, por exemplo, C1M2 (Campanha 1 Missão 2)

Controles do jogo e outras noções básicas de como jogar o jogo

http://hd.3dactionplanet.gamespy.com/strategy.htm

Lembrando que os dois detonados são em inglês, por isso caso tenham alguma dúvida, deixem um comentário e eu responderei com todo o prazer o mais rápido possível. Mantenho o fórum atualizado diariamente

Caso alguém tenha dúvidas em outro jogo e deseja ajuda pra conseguir passar de fase ou coisa do tipo, deixe um comentário que prontamente irei atender ao pedido assim que possível.

ATUALIZADO 24/01/2009

LEIAM ATENTAMENTE O FAQ ABAIXO ANTES DE FAZER A PERGUNTA.

E POR FAVOR, POSTEM APENAS UMA VEZ QUE EU CERTAMENTE VOU LER E RESPONDER, NÃO INSISTAM EM POSTAR 10x POIS NÃO FAZ A MÍNIMA DIFERENÇA, LOGO QUE ALGUÉM COMENTA EU RECEBO EMAIL, ENTÃO COM CERTEZA RESPONDO, MAS TENHAM PACIÊNCIA! EVITEM FLOOD.

Aviso!!! Quando tiverem dúvida em alguma missão, postem o número da campanha e o número da missão, dúvidas que não seguirem esse formato não serão respondidas! Isso dificulta pra responder, espero que entendam, isso é pra que a idéia do post funcione. Agradeço!

Estou adicionando abaixo as questões mais frequentes, porque muitas perguntas estão sendo repetidas, com base nas dúvidas estou atualizando o post.

1 – Não consigo passar na 2 missão da 2 campanha, tento fugir de barco e me matam.

Se disfarce, há um varal próximo [foto], coloque a roupa, e vá até onde está o barco, não passe perto dos inimigos porque eles podem descobrir você, sempre mantenha distância, ou pegue um carro e vá até onde fica o bote. Chegando lá, mate o guarda que está cuidando, use a faca. Entre no bote e escape, mantenha distância pois os inimigos vão atirar em você.

2 – Na missão em Ardennes, fico esperando os americanos e eles não vêm.

Essa missão tem um bug, que ao completar a missão (matar todos os inimigos), você deve esperar para que os americanos cheguem, os americanos devem vir acompanhados de dois tanques, mas geralmente estes dois tanques ficam trancados no início da estrada, não conheço nenhuma maneira de corrigir isso, apenas repetindo a missão e esperando que os tanques consigam chegar.

3 – Não consigo completar última missão do Hidden & Dangerous Deluxe.

Nessa missão você invade o forte dos partisans, é tipo uma ilha, seu objetivo é eliminar todos os inimigos e destruir o avião. Tudo é simples, com exceção de que um inimigo se esconde numa sala que tem a porta trancada, a única maneira de ter acesso à sala é explodindo a porta com explosivos ou bazuca. Veja na foto abaixo onde fica localizada a sala, é no primeiro andar do lugar. VEJA

Vou adicionando mais conforme o tempo. Agradeço a todos os comentários, são bem-vindos.

ATUALIZAÇÃO 30/08/2010

Pessoal, segue mais uma dúvida frequente, assim que possível vou postando conforme for jogando de novo.

4 – Como entro no avião da fase da Iugoslávia?

Simples, chega na porta, mira bem na entrada (lembre-se, olhar para o lugar correto é importante para entrar no avião), e pressione “U” ou a tecla de ação que você configurou.

Segue na imagem anexa.

imagem entrar no aviao

ATUALIZAÇÃO 04/09/2010

Segue então pessoal, a explicação da missão 1 da campanha 3 (alemanha), onde você deve libertar os presos e destruir os arquivos, vai a explicação então pois o pessoal tem tido muitas dúvidas.

Ok, começando do início, como destruir os arquivos? A casa tem 3 andares sem contar o porão, onde ficam os presos. O local de acesso a todos os andares é uma escada em espiral. Então finalmente, como destruir os arquivos? No terceiro andar, existem 3 salas, das quais 1 é secreta. Todas as salas podem ser vistas nas imagens abaixo.

Locais onde uma bomba deve ser colocada. É possível destruir os arquivos com granadas, mas eu não recomendo, pois é muito fácil acabar sendo destruído junto.
É bem fácil notar a saliência na parede, chegue em frente e pressione a tecla de ação "U", para abrir a porta "secreta"

Imagino que agora você deseje libertar os prisioneiros, certo… é só usar a mesma escada que você usou pra subir pro terceiro andar, e descer até o porão, lá vão ter dois soldados alemães, dê cabo deles, o segundo soldado possui a chave das celas. Depois é só abrir as celas e mandar os prisioneiros te seguirem usando a tecla “HOME”.

Veja na imagem a escada em espiral, e as celas onde estão os prisioneiros, marcadas em amarelo
Após ter vaporizado os soldados, pegue a chave das celas. Pare sobre o corpo do soldado, pressione "U", selecione as chaves e pressione "Enter" e depois "U" novamente para sair do inventário
Depois de ter aberto a porta das celas, pressione a tecla '"HOME" do teclado, o soldado deve gritar "Follow me", isso fará os prisioneiros te seguirem.
Tendo completado o objetivo dos arquivos, leve todos os seus soldados e os prisioneiros libertos para perto do caminhão e a missão estará concluída!

Agora não tem como não passar dessa missão mais! :D

ATUALIZAÇÃO 06/09/2010

Como prometido, segue o vídeo com as instruções de como passar pela missão 2 da campanha 2 na alemanha, onde você deve escapar no barco. Um pequeno resumo: Selecione apenas um soldado, com uma bomba relógio, sub-metralhadora e munição. Faça como no vídeo e você consegue passar a missão.

Produtoras deixando os computadores de lado?

consolespcs

Não há quem não tenha notado ainda que a maioria das produtoras estão deixando de produzir jogos para PC’s e ao invés, investindo pesado em jogos para consoles. Um grande exemplo (decepção pra mim) é o Star Wars The Force Unleashed que não será lançado para os PC’s, mas para todos os outros tipos de console, inclusive para o infame Playstation 3, do qual as produtoras tem apresentado queixas sobre a dificuldade de desenvolver jogos nesta plataforma.

O próprio Star Wars foi uma das séries que mais renderam jogos para computadores, se citasse todos, pelo menos umas 20 linhas de texto iriam ser ocupadas para cada título. Realmente tem sido em parte, difícil de entender o porque disso. E talvez a provável culpada seja a pirataria, já que não é nada incomum ouvir o termo “jogo” acompanhado do termo “torrent” nos fóruns da vida.

Ainda assim a pirataria sozinha não seria uma razão, pois jogos de console também podem ser facilmente baixados da internet. Mas o fato é que muitos estúdios tem abandonado a produção de jogos de computador, a tendência é que a demanda por consoles aumentem.

Continuar lendo “Produtoras deixando os computadores de lado?”