GameXperience: Star Wars Battlefront [BETA]

swbf_facebook_share

Qualquer fã de Star Wars se sentia meio carente de games baseados na saga. Considerando que excelentes games foram lançados antigamente, como Star Wars Jedi Knight, Jedi Academy, Rogue Squadron, Republic Commando entre tantos outros.

Essa seca durou um bom tempo (estou desconsiderando Star Wars Lego por motivos óbvios) mas finalmente, o tempo de seca está com os dias contados.

Após jogar durante 3 dias o beta (ou demo) do Star Wars Battlefront produzido pela DICE e distribuído pela EA, foi possível chegar a algumas conclusões, as quais, compartilhamos a seguir.

Continuar lendo “GameXperience: Star Wars Battlefront [BETA]”

Anúncios

GameXperience: Red Orchestra 2

Red Orchestra 2 & Rising Storm logo

Recentemente o Steam em uma de suas “loucuras no meio da semana”, colocou o jogo Red Orchestra 2 em promoção que acompanha Rising Storm por apenas R$ 8,00 (e uns centavinhos mas não vem ao caso).

Joguei os mapas do Red Orchestra 2 apenas e me parece que não tem muita gente jogando o Rising Storm, pelo menos eu mal consegui jogar os mapas Rising Storm.

Então após ter jogado aproximadamente 8 horas, aqui vão algumas considerações sobre a experiência do modo multiplayer do jogo. Espero que ajude quem tem alguma dúvida se é válido adquirir o game ou não, então vamos começar com a parte boa:

Continuar lendo “GameXperience: Red Orchestra 2”

Wolfenstein: Enemy Territory, teamplay com ação que deu certo

Quando chegaram as conexões ADSL onde moro, lembro que este deve ter sido o primeiro senão o segundo jogo multiplayer que eu joguei na vida. Passei ótimos momentos jogando ele, um jogo ótimo, balanceado e divertido na época.

Este jogo é ainda muito jogado nos dias de hoje, infelizmente, devido a popularidade dele ter aumentado muito, começaram a acontecer muitos problemas de casos de cheaters e afins, que acabaram arruinando a experiência da maioria dos jogadores.

Mas vou falar da jogabilidade, veja isto como uma análise de conceito de jogo. O Wolf:ET (nome abreviado) foi um dos primeiros jogos a introduzir o conceito de classes. Existiam 5:

  1. Soldier – Soldados tinham acesso a armas pesadas. (bazuca, mg)
  2. Engineer – Classe especial, podia efetuar reparos, colocar, armar e desermar minas. Além de poder plantar a dinamite, que era usada para destruir objetivos no jogo.
  3. Medic – Classe especial, podia ressucitar amigos mortos e distribuir pacotes de primeiros socorros, para restaurar a vida dos amigos.
  4. Field Ops – Classe especial, podia chamar artilharia e distribuir munição.
  5. Covert Ops – Classe especial, podia pegar a roupa dos inimigos mortos e se disfarçar, tinha acesso a armas silenciosas e rifles de sniper, além de um explosivo detonado por rádio.

O interessante do jogo, é que ele recompensa os jogadores que jogam junto, que cooperam.

Continuar lendo “Wolfenstein: Enemy Territory, teamplay com ação que deu certo”

O poder dos jogos cooperativos

arma logo

Esses dias vi um pessoal comentando sobre o ArmA, jogo de simulação militar, com direito a pilotar tanques, e demais veículos aéreos, terrestres e navais. O cara que postou contava como tinha sido a partida em um mapa do jogo, era um mapa cooperativo, ele e mais 2 amigos estavam jogando este mapa.

Fazendo um breve resumo: Eles iniciavam o mapa em meio a uma cidade, com inimigos a sua volta, eles deveriam sair da cidade, e chegar no porto da cidade que ficava próximo, o trajeto da rua principal estava tomado de inimigos, eles deveriam dar a volta. Ele falou sobre isso, e que os dois prosseguiram a pé nessa missão noturna, mataram alguns inimigos no início e seguiram escondidos pela mata até chegarem em seu destino.

Da forma que eu narrei não parece grande coisa, mas com mais detalhes como ele deu na descrição da partida qualquer uma ficaria interessado no jogo, baseado nisso, lá fui eu e arranjei o Armed Assault…

Continuar lendo “O poder dos jogos cooperativos”

You can mod the game, not the player

Algo como “você pode modificar o jogo, mas não o jogador”.

Esse é o primeiro post que faço com relação aos jogos multiplayer em relação aos players e jogadores, serão raciocínios relâmpago que estarei postando seqüencialmente sempre que for iluminado com algum tipo de visão.

Hoje começo com um tema simples, e polêmico em muitos jogos, o BC, base camp, spawn camp, base rape, chame como quiser, fale esse nome e todos levantarão a mão. Quem nunca tomou um belo BC em algum jogo?

A algum tempo atrás jogava Battlefield Vietnam, na época que o jogo estava vivo. A pior coisa era jogar no time Americano e não ter outra bandeira pra nascer se não a base principal, isso em si significava BC. Aí então entrava em cena o Mi-8 voando na sua cabeça e atirando uns mísseis que pareciam ter 200 kilos cada, e o raio de destruição era devastador.

Essas práticas são comuns em jogos multiplayer, o primeiro problema se deve ao fato dos desenvolvedores de jogos, que nunca pensam nesse outro lado da moeda, ou pensam mas sabem que ao mesmo tempo que existem os que tomam o BC, tem aqueles que fazem, e fazem porque acham isso bonito. Eu estou falando de algo muito polêmico, geralmente quem toma BC não pode reclamar porque os que fazem vêm com comentários do tipo “quem toma bc é noob”, “time que leva bc é burro” e daí por adiante.

Sim eu também já levei muito bc jogando, mas nunca fiz, porque? Bem, fazendo isso eu sei que estaria estragando o jogo das outras pessoas, que como eu, em parte, não ficam jogando pra se tornar o Jesus Cristo, ou um ídolo dos jogos. Porque sempre tem pessoas que parecem que nasceram pra pagar pau pros outros, e o que acontece?

O jogador X viu que o jogador Y fez BC, levou um monte de gente, fez o high score da partida, depois disso começaram a postar nos fóruns quem era o melhor no que, ae esse cara foi citado trocentas vezes, nisso o jogador X viu que BC funciona, e na busca por um sentido a sua vida talvez, ele começa a fazer a mesma coisa e está disposto a tudo por isso (leia-se trocar de time) e essa atitude procede, um colega meu também, foi conhecido como grande jogador bla bla bla, quando o time dele estava perdendo, ele trocava de time, ia pro outro time, pegava um helicóptero e começava a fazer BC no time do qual ele recém havia saído. Cada caso é um caso isso é óbvio, se o time é iniciante é uma coisa, se o time está de sacanagem é outra.

Mas a situação mais comum geralmente são iniciantes x clãs, ou os sem clãs x os clãs.

Concluo este texto com uma frase, e quem não entender, bem… sinto muito, você perdeu a oportunidade de pensar.

“Covarde não é aquele que evita um combate e sim aquele que mesmo sabendo que é superior luta e fere o mais fraco”